Reticências mas, na vertical.



"A grande revolução na poesia de Pessoa foi a sua intelectualização. O primeiro problema subsequente é ser-se poeta aí. E o segundo é a inteligência não ser razão. Mas é isto tão novo, que os olhos dos poetas mal o vêem. Porque só se vê o que é visível, ou seja o que já se está a ver, na possibilidade de o estar. Toda a arte não intelectual tem de sê-lo, mesmo que o não queira, para nos promover a uma maioridade mental. Concebemos uma arte grande para, digamos, uma menoridade quando tem muitos séculos em cima a ampliar-lhe a grandeza. Mas só se amplia o que já está ampliado sem ampliação. Extraordinária a lição de Pessoa. Extraordinária a obtusidade a daqueles que não entenderam, na prosa, a lição dessa poesia.Porque não se cresce na mente só uma metade dela. Excepto para se ser aleijado nas duas."