Propriedade privada


(...) Até Platão, cujos planos políticos previram a abolição da propriedade privada e a expansão da esfera pública ao ponto de aniquilar completamente a vida privada, ainda falava com grande reverência de Zeus Herkeios, o protector das fronteiras, e chamava divinos aos horois, os limites entre os estados, sem nisso ver qualquer contradição.

  

(...) Um factor decisisvo é que a sociedade, em todos os seus níveis, exclui a possibilidade de acção, que antes era exclusiva do lar doméstico. Em vez de acção, a sociedade espera de cada um dos seus membros um certo tipo de comportamento, impondo inúmeras e variadas regras, todas elas tendentes a «normalizar» os seus membros, a fazê-los «comportarem- se», a abolir a acção espontânea ou a reacção inusitada